Logo Assobrav

Irmãos de base: 10 Carros de marcas diferentes com a mesma plataforma

Data 15/05/2018

Por:  Redação





Vale tudo para cortar custos, principalmente compartilhar itens que o consumidor não vê

A tendência do mundo automotivo é flexibilidade. Usar componentes iguais para diversos carros é só uma parte, com as fabricantes investindo em plataformas que possam ser usadas por mais de um tipo de veículo. Em muitos casos, essas arquiteturas são aproveitadas até mesmo por outras fabricantes, algumas delas desenvolvidas em parceria. Veja na galeria acima 10 exemplos de carros que usam a mesma plataforma, embora sejam de marcas diferentes.

Nissan Frontier & Mercedes-Benz Classe X & Renault Alaskan

A Nissan parece querer que todas as picapes do mercado usem a plataforma da nova Frontier. A Renault Alaskan entrou no segmento não só com a mesma base, mas com uma grande quantidade de peças compartilhadas e design 90% idêntico só muda a frente e o desenho do volante. A Mercedes-Benz entrou na festa com a inédita Classe X, com a mesma receita que a Alaskan, só que adicionando um motor exclusivo V6. Rumores adiantam que a próxima geração da Mitsubishi L200 Triton também usará a plataforma da Frontier...

Volkswagen Golf & Audi A3

A Volkswagen foi a percussora no uso de plataformas modulares, que podem ter as medidas de entre-eixos, balanços e bitolas alteradas livremente. Tanto é que a base MQB pode ser usada desde um hatch médio como o Golf até sedãs maiores como o Passat. Estreou quase simultaneamente em três veículos do Grupo Volkswagen: VW Golf, Audi A3 e Skoda Octavia.

Fiat Toro & Jeep Compass

Quando a Fiat-Chrysler ergueu sua fábrica em Goiana PB, preparou a linha para trabalhar com a plataforma Small Wide, estreando no Renegade. Pouco depois, desenvolveram uma versão alongada chamada Small Wide LWB. Ela serviu para dois produtos nacionais. Primeiro foi a picape Fiat Toro e, pouco tempo depois, o global Jeep Compass. A versão LWB também é usada na Europa nos Fiat 500L, Tipo e Egea.

BMW X2 & Mini Countryman

Quando a BMW resolveu adotar as plataformas modulares, criou dois tipos. Temos a UKL1, usada em carros pequenos ou seja, a linha Cooper e a UKL2, que equipa os modelos maiores da Mini, como o Countryman, e alguns carros da BMW, como o chinês Série 1 sedã e os SUVs X1 e X2. Esta segunda arquitetura pode trabalhar com tração dianteira ou nas quatro rodas como opcional, o que permitiu à BMW economizar no desenvolvimento.

BMW Z4 & Toyota Supra

O retorno do Toyota Supra será bem diferente. Isso porque ele está sendo desenvolvido paralelamente ao novo BMW Z4. As duas fabricantes se uniram para desenvolver uma nova plataforma para ambos os modelos, assim como os motores. Devem utilizar o 3.0 turbo de seis cilindros em linha, com 340 cv, e câmbio automático de 8 marchas. E ainda terão versões híbridas, com tecnologia Toyota. Quem diria que BMW e Toyota teriam uma relação tão próxima?

Peugeot 3008 & Citroën C4 Picasso

Como dissemos na dupla anterior, o Grupo PSA está começando a colocar a plataforma PF de lado, para adotar a arquitetura modular EMP. No Brasil, apenas três carros utilizam essa base: O Peugeot 3008, a versão de 7 lugares 5008 e o Citroën C4 Picasso, além de utilitários como Citroën Jumpy e Peugeot Expert.

Lamborghini Urus & Volkswagen Touareg

Embora a MQB seja sua menina dos olhos, o Gurpo Volkswagen tem mais uma plataforma modular que merece respeito. A MLB é usada para carros com motores longitudinais, equipando modelos da Audi a partir do A4 e o Porsche Macan. Em 2015, lançaram uma versão revisada chamada MLB-Evo, que até a Lamborghini adotou, servindo de base para o SUV Urus. A Volkswagen não ficou de fora e montou a terceira geração do Touareg com essa arquitetura, servindo ao carro mais caro da empresa.

Citroën C3 & Peugeot 208

Há anos que o Grupo PSA aproveita a plataforma PF1 para carros compactos. Teve reflexos no Brasil, quando a Citroën começou a produzir o C3 e a Peugeot trouxe o 208 ao Brasil. Ambos seguem em produção por aqui, sendo que a base deles ainda é usada no SUV Peugeot 2008. Está com seus dicas contados, pois a PSA passará a montar seus carros com a base modular EMP.

Fiat 124 Spider & Mazda MX-5

A Fiat estava de olho na Mazda desde 2012, quando começaram uma parceria para desenvolver uma plataforma de tração traseira. A Mazda usaria essa base na quarta geração do MX-5, enquanto a Fiat usaria em um modelo da Alfa Romeo. Cancelaram o projeto em 2014, apenas para retornar em 2015, dessa vez com a Fiat adotando a arquitetura ND da Mazda para criar o conversível 124 Spider.

Renault Kwid & Datsun Redi-Go

O primeiro carro brasileiro da Renault a usar a plataforma modular CMF da Aliança Renault-Nissan foi o Kwid. O subcompacto utiliza a menor versão dessa base, destinada a modelos de entrada. Como a Nissan não está neste nicho, preferiu usar a arquitetura no Datsun redi-Go, crossover compacto para o mercado indiano, tão pequeno e barato que usa motor 0.8 de 54 cv, o mesmo do Kwid indiano. 



Fonte: UOL Carros / Motor1.com

Esta notícia foi marcada em Mercado Automotivo


Veja também as últimas notícias

Compartilhe

Assobrav - Associação Brasileira de Distribuidores Volkswagen - Copyright © 2012 - Todos os direitos reservados
Av. José Maria Whitaker n° 603 - Mirandópolis - São Paulo - SP - CEP: 04057.900 - Fone: (11) - 5078.5400